sábado, 22 Set. 2018
 
 

“O QUE VÊS, O QUE VEJO…”

UMA NARRATIVA ILUSTRADA PARA CRIANÇAS QUE NÃO VEEM E NÃO SÓ! 

VEJORefere a sinopse do livro: “O que vês, o que vejo...” abre a cortina para uma conversa entre duas crianças, fluindo numa deambulação poética acerca de aspectos significativos de um dia. A fruição da narrativa acontece pela voz de uma e de outra, sendo o leitor convidado a apreciar a beleza oferecida pelas suas perceções, ora diversas ou unificadas pelo âmago da infância.
Um livro que convida a um diálogo plural sobre perceções, emoções e sensibilidades.
Um livro que transporta gente e simboliza encontro... pela mão dos afetos, da proximidade e da história de cada um.

A equipa da ANIP (Associação Nacional de Intervenção Precoce), Patrícia Valério, Inês Marques, Rita Ângelo, Cristina Lopes e Diane Gouveia, esteve connosco na Semana da Leitura para nos ler este fantástico e diferente livro. Era completamente desconhecido “O que vês, o que vejo...” para alunos e alunas, professoras e professores. Aliás, não acreditavam que existia um livro ilustrado para cegos.

Este livro, com edição da ANIP, texto de autoria de Inês Marques e ilustração de Madalena Moniz, é o primeiro livro editado em Portugal com ilustrações tácteis, do tipo háptico, que mobiliza a leitura percetiva de crianças invisuais. Um livro que apela a leituras multissensoriais, sendo capaz de deixar “ler” crianças cegas que ainda não iniciaram os processos formais de leitura e escrita em braille. Uma narrativa que desenvolve a literacia emergente em crianças com cegueira e não só.

Como dizem: é que as crianças até aos 6 anos, que não sabem ler ainda em braille, tenham a oportunidade de, através das ilustrações tácteis, dos bonecos com braços que saltam da folha e se mexem, de um sol que se empurra da esquerda para a direita e de um girassol que gira, fazer uma leitura da imagem, tendo em conta aquilo que o texto lhe propõe.

A animação / promoção da leitura deste livro superou as nossas expetativas, desvendando-nos novas possibilidades de leituras e dando-nos a conhecer o desconhecido, um livro háptico. Da intervenção realizada, destacamos como mais significativo: a qualidade da intervenção da equipa que adaptou as dinâmicas da atividade às idades e sensibilidades das crianças, possibilitando-lhes um maior conhecimento e contacto com uma leitura diferente do habitual; a desconstrução do processo da leitura do livro ilustrado por um invisual; o conhecimento mais profundo de outra linguagem, o braille, do seu alfabeto e particularidades desta escrita; o contacto e utilização da máquina de escrita em braille; e, globalmente, o impacto que teve ao nível das aprendizagens relacionadas com o desenvolvimento pessoal e social.

Bem hajam pelo vosso excelente trabalho, gostámos de aprender convosco!