segunda, 23 Jul. 2018
 
 

SEMANA DA LEITURA - POEMÁRIO DA ÁRVORE – 1º CEB

Iniciámos a Semana da Leitura 17-18 com uma HOMENAGEM À ÁRVORE, nas escolas de Lamas, Moinhos, Pereira, Rio de Vide, Semide e Vila Nova, do 1º CEB. Posteriormente, a atividade foi também desenvolvida com o 1º CEB da escola Ferrer Correia e com alguns alunos CEI da escola José Falcão. As sessões, dinamizadas pela professora bibliotecária Maria José Vale, tiveram como objetivo levar os alunos e alunas a dialogar e refletir sobre os problemas da destruição das árvores, das florestas, dos incêndios florestais, apelando ao desenvolvimento do pensamento crítico dos alunos e alunas enquanto cidadãos e guardiões do futuro envolvendo-os em diferentes experiências de leitura, estimulando a intertextualidade entre diferentes autores.

Nesta homenagem dialogámos, recordámos e refletimos sobre este ser vivo que tanto nos dá e nada nos pede. É preciso olhar para ele e por ele! A árvore, as árvores, as florestas, que todos os anos morrem, mais por descuidos do que por morte natural. As árvores que, todos os anos, os nossos alunos e alunas tão humanamente semeiam, plantam, cuidam e fazem crescer…, mas que é sempre insuficiente para encher o nosso olhar de verde e a nossa vida de plenitude. Como Matilde Rosa Araújo, na obra “Fadas Verdes”, há já muito tempo, nos tinha chamado à atenção no poema CORTAR:

 CORTAR

Este poema, entre outros mais, faz parte do “Poemário da Árvore”, um objeto- livro, construído para esta homenagem, que reúne um conjunto de textos poéticos de vários poetas e poetisas que nos deram a conhecer vários “sentires” sobre a árvore.

Para complementar estas leituras, chamámos “Cem Sementes que Voaram”, uma narrativa de Isabel Minhós Martins, com ilustração de Yara Kono. (…) Um livro que traz a floresta para o centro das atenções, celebrando a resistência das sementes e a inteligência das árvores e da natureza.(…) é o que nos diz a editora Planeta Tangerina, responsável por esta edição. Sublinhamos as palavras de Luisa Ducla Soares “Quem planta uma floresta, planta uma festa”!

 

Cortaram uma árvore

E a Terra chorou

 

Cortaram outra árvore

E a Terra chorou

 

E tantas árvores mais

 

E a Terra chorou

Chorar tanto também cansa

Quem pode enxugar as lágrimas

Da Terra cansada?

 

Nem as mãos de uma criança...