sexta, 15 Nov. 2019
 
 

À DESCOBERTA DOS VEADOS NA SERRA DA LOUSÃ

O jardim-de-infância do Espinho aderiu ao desafio da iniciativa da Fundação Ilídio Pinho, no âmbito do programa Ciência na Escola, com o projecto: À DESCOBERTA DOS VEADOS NA SERRA DA LOUSÃ, tendo sido seleccionado no concurso de ideias.  

Tudo começou, quando num determinado momento contávamos a história “Ferozes Animais Selvagens” e verificávamos que a percepção das crianças relativamente ao conceito de animais selvagens não correspondia ao conceito exacto. No sentido de clarificar e desmistificar as suas representações, avançámos então com a informação de que na serra (da Lousã) existiriam animais selvagens. Não queriam acreditar, pois, nenhum dos animais da serra, de que teriam ouvido falar, javalis, corços e veados, consideravam selvagens.

Com intenção de desmistificar o conceito de animais selvagens longínquos, bem como de trabalhar os princípios científicos que suportam os projectos relativos à protecção do património natural, considerámos ser pertinente focalizar a nossa acção no reconhecimento da população de veados existentes na serra da Lousã, trabalhando, com as crianças, metodologias de observação e registo, bem como problematizar as questões que envolvem a conservação e gestão do património natural.

Leia aqui toda a notícia...

Como sabem, a serra da Lousã, pela sua riqueza biológica e ecológica, foi reconhecida nacional e internacionalmente, estando incluída na Rede Natura 2000. O sucesso da reintrodução de veados, na década de 90, teve em conta a perspectiva de desenvolvimento sustentado desta região, integrando actividades ligadas à conservação da natureza e actividades humanas. A criação desta área protegida arrasta consigo, no entanto, alguns problemas de coabitação, visíveis na forma como alguns habitantes lidam com a invasão das terras cultivadas, pelas espécies animais que ocupam a serra, bem como pelas opiniões que transmitem, defendendo a limitação do número de animais existentes, minimizando ou incentivando a acção dos caçadores furtivos. A proximidade do jardim-de-infância do Espinho com a serra da Lousã, o contacto das crianças com utilizadores e dinamizadores de actividades de ecoturismo e as problemáticas relativas aos prejuízos provocados pela fauna selvagem, constituíram também uma motivação no desenvolvimento deste projecto, pretendendo-se actuar precocemente junto das populações servidas por esta área da Rede Natura 2000, para que se desenvolva uma atitude conducente com uma gestão racional e com a protecção dos recursos e do património natural envolvente (especialmente da fauna existente).

Cientes de estar perante um “problema” que uma abordagem científica, centrada na área da biologia, poderá dar resposta, contribuindo para ultrapassar equívocos e aprofundar os conhecimentos sobre o património natural da serra da Lousã, o desenvolvimento deste projecto tem proporcionado um conjunto variado de actividades educativas/pedagógicas. Estas actividades abrangem todas as áreas curriculares que integram o currículo na educação pré-escolar, como sejam: área de formação pessoal e social, área de expressão e comunicação e a área do conhecimento do mundo, porque se aprende de muitas formas, através de diferentes linguagens.

Para organizar e gerir o conjunto de actividades que corporizam o projecto que nos propusemos desenvolver, foram definidos os seguintes objectivos:

  • Clarificar o conceito de animal selvagem;
  • Conhecer e mostrar a “vida selvagem” que existe à nossa volta;
  • Conhecer e identificar diferentes espécies de animais selvagens da serra da Lousã;
  • Conhecer, descrever e caracterizar cervídeos (veados e corços);
  • Conhecer e contactar com o habitatnatural do veado;
  • Construir e adaptar instrumentos de recolha de dados;
  • Iniciar as crianças na utilização de instrumentos de observação de campo (binóculos);
  • Desenvolver as capacidades e competências de observação;
  • Identificar no terreno, nas actividades de campo, vestígios da presença dos veados;
  • Recolher dados e tratá-los à luz da biologia;
  • Ampliar o vocabulário “científico” relativo a esta temática;
  • Conhecer e reflectir sobre os factores de perturbação a que os animais da serra estão sujeitos;
  • Compreender a importância da vida animal selvagem que nos cerca;
  • Interiorizar comportamentos promotores da protecção da vida selvagem;
  • Construir uma brochura sobre o conhecimento produzido acerca dos cervídeos, nomeadamente dos veados da Serra da Lousã.

Ressalte-se que o trabalho a realizar procura fazer a articulação escola-comunidade, envolvendo nos mesmos objectivos os alunos, as famílias e a comunidade, na valorização e protecção do património natural. Como instituição de suporte científico ao projecto contamos com o apoio da Universidade de Aveiro (UA), na pessoa do Prof. Dr. Carlos Fonseca, do Departamento de Biologia, responsável científico pela introdução e investigação dos cervídeos na serra da Lousã.

                                

Maria José Vale